quarta-feira, 21 de setembro de 2016

PUBLIQUE SUA HQ COM FINANCIAMENTO COM APOIO DE 10 SITE SAIBAIS QUAIS AQUI E AGORA

 Em tempos de cultura digital, economia criativa e redes sociais, colocar no mercado uma história em quadrinhos no velho e bom papel couchepassa longe da odisseia trilhada pelos contemporâneos de Angelo Agostini, autor do  primeiro exemplar brasileiro do gênero, que hoje se celebra 145 anos de publicação.
::: Estadão PME nas redes sociais :::
:: Twitter ::
:: Facebook ::
:: Google + ::
Para se apresentar aos leitores, driblar o filtro dos editores ou até mesmo chamar a atenção de livrarias e casas  especializadas, escritores e cartunistas têm cada vez mais recorrido ao financiamento coletivo pela internet,  expediente originalmente destinado à alavancagem de designers e pequenos inventores, mas que se consolida entre produtores independentes de cultura.

Para se ter uma ideia do alcance dessa solução, o Kickstarter, popular plataforma norte-americana de financiamento  coletivo, ou crowdfunding, tem no momento 3.534 projetos de HQs em busca de apoiadores.
São produtores que certamente passaram a  encarar a opção de captação de recursos com outros olhos desde que outras iniciativas na área cultural alcançaram resultados expressivos. Um bom exemplo é o do filme "Inocente", que levantou US$ 52.527 no site e acabou faturando o Oscar em 2013 como melhor documentário de curta metragem.

Aqui no Brasil, o Catarse é um representante do ramo. Lançado por Diego Reeberg, o site tem no financiamento às  atividades culturais seu principal filão. 

Segundo Felipe Caruso, diretor de comunicação do Catarse, 1,6 mil projetos já passaram pelo site em três anos, com uma taxa de sucesso na casa dos 56%. O segmento de quadrinho é o terceiro mais recorrente entre os anunciantes, com 80 obras ofertadas. "Dessas, 59 alcançaram a meta de investimento estipulada, o que dá 74% de taxa de sucesso", diz ele.

Para ajudar o produtor de HQs a testar sua ideia e, quem sabe, tirar do papel seus projetos engavetados, o Estadão  PME preparou, junto com o Catarse, uma lista com dez dicas para aproveitar a oportunidade dos sites de financiamento coletivo por ai.

Serve para mim?
Para responder essa pergunta, é importante agrupar os pontos fortes e fracos do modelo. Da carga positiva,  destaca-se o baixo risco da iniciativa. A burocracia para iniciar a captação de recursos praticamente inexiste. Basta ter um projeto formatado, preparar uma campanha e colocá-la no ar, sem custo. Quanto ao ponto fraco, não se  esqueça que o modelo é novo no Brasil e, portanto, ainda sujeito à alterações e sem muita penetração.

Faça as contas
Mas antes de sair por aí passando o chapéu, faça bem as contas de quanto dinheiro é necessário. Segundo o Catarse, a  solução é destinada sobretudo para projetos de até R$ 100 mil, que no Brasil não dispõem de muitas soluções de financiamento.

Invista no online
É necessário ser atuante no universo virtual, com uma boa rede de contatos nas redes sociais. É importante adotar  uma postura ativa de divulgação enquanto a campanha estiver no ar.

Planeje bem
Basicamente, o candidato a autor de HQ precisa se atentar à apresentação do projeto, programar e informar com transparência para o leitor o valor estipulado, tudo isso dentro de um prazo realista de campanha, que tem o máximo de 60 dias no Catarse.

Vídeo é fundamental
Segundo o Catarse, a importância da campanha ter um vídeo talvez seja o único ponto onde todos os anunciantes que tiveram uma experiência com o financiamento coletivo concordaram. Ele faz a diferença e pode ser o grande responsável pelo projeto arrecadar ou não o valor pretendido. Não se esqueça de aparecer no vídeo. Mostrar o rosto remete credibilidade.

Detalhe seu projeto
Além do vídeo, escreva um texto curto com o detalhamento de seu projeto. Priorize as informações mais relevantes na parte de cima do texto. Poucos são os que concluem a leitura do material.

Fale sobre você
Prepare um breve descritivo sobre você. Agrupe os pontos principais e não se prolongue sob pena de cansar o investidor em potencial

Defina recompensas
Cada faixa de valor proveniente dos apoiadores exige uma recompensa diferente. Assim, além do HQ, é preciso pensar  em outros presentes, como pôsteres autografados, edição virtual, ímãs para geladeiras, nome do apoiador nos agradecimentos e por aí vai.

Valor
Não existe um limite para a meta financeira. Mas para que ela seja realista e viável, você deve levar em conta o custo da realização (mínimo necessário para realizar o projeto), os custos das recompensas, a taxa cobrada pelo site de financiamento (de 10% a 15% caso o projeto alcance o montante estipulado) e o engajamento de rede (cerca de 50% da captação vem da própria rede de contatos do realizador).

Prazo
Para determinar por quantos dias seu projeto estará em captação, é importante considerar o fôlego do captador para trabalhar a campanha de divulgação, considerando que esse é um trabalho realmente intenso, e a média empregada pelos demais captadores. Segundo o catarse, essa média vai de 30 a 45 dias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário