terça-feira, 22 de março de 2016

REVIVENDO MARCANTES MOMENTOS NA VIDA DO SUPERMAN


Uma grande experiência de vida. Isso é o que o Superman acumulou em todos esses anos de luta a favor dos fracos e oprimidos, como diz a máxima dos heróis dos gibis.
Não é à toa que o personagem tem muita história para contar. Ele já morreu, ressuscitou, ganhou um clone, virou monstro, perdeu os poderes e desenvolveu novas habilidades. E ainda sofreu as mais diversas transformações físicas, sociais, psicológicas e profissionais que se possa imaginar.
Confira, a seguir, alguns dos fatos que marcaram a trajetória do Homem de Aço nos quadrinhos e ajudaram o personagem a se manter sempre presente e ativo na memória de qualquer fã da nona arte.
11. Um beijo para ficar na memória. Quem nunca imaginou ver o Superman e a Mulher-Maravilha fazendo um par romântico? Atualmente, graças às mudanças editoriais feitas pela DC Comics com a linha Novos 52, os dois formam um casal de supernamorados. Mas o primeiro envolvimento deles aconteceu em Action Comics # 600 (no Brasil, saiu pela Editora Abril em Superpowers # 16, em 1989). A aventura, escrita e desenhada por John Byrne, prometia mostrar o “romance do século”, mas o caso amoroso não passou daquela edição. Na verdade, foi apenas uma sessão de beijos, ou melhor, superbeijos.
Por se tratar de um love affair entre alguns dos mais famosos super-heróis dos quadrinhos, o acontecimento causou bastante frisson entre os leitores na época. Dali em diante, tornou-se comum os dois personagens aparecerem casados e até com filhos em histórias de cronologia alternativa.
Cena marcante: Superman e Mulher-Maravilha flutuando no ar aos beijos e abraços. A imagem foi repetida em Justice League # 12, em 2012.
Superman e Mulher Maravilha
10. Campeão de dois universos. Na minissérie Liga da Justiça x Vingadores, lançada nos Estados Unidos em 2003 (no Brasil, em 2004, pela Panini), foi graças aos sentidos aguçados do Superman e à perspicácia do Capitão América que os heróis descobriram que havia algo errado com a realidade em que estavam vivendo. E, de uma vez por todas, o Último Filho de Krypton mostrou quem é o maior super-herói dos dois universos editoriais, destacando-se dentre os muitos protagonistas da trama e exibindo todo seu poder sem medo de ser feliz.
Cena marcante: Em pose de fúria e prontidão para a batalha, o Homem de Aço segura o escudo do Capitão América em uma mão e, na outra, o martelo Mjolnir de Thor, aquele que só quem tem alma nobre consegue empunhar.
Superman no crossover entre Liga da Justiça e Vingadores
9. Superman assassino. Quem disse que o Homem de Aço não mata? Para livrar uma Terra alternativa do domínio do General Zod e seus asseclas, o Superman se viu obrigado a usar o único artifício capaz de detê-los: assassinato. Após voltar a sua dimensão, o herói foi acometido por crises existenciais que o forçaram a se exilar no espaço por um bom tempo. A morte de Zod foi outro acontecimento dos quadrinhos que chegou ao cinema, dessa vez em O Homem de Aço (2013).
Cena marcante: De olhos fechados e cabeça baixa, Superman sofre em silêncio após matar os três vilões.
Superman assassino
8. Homem de Aço versus Homem-Morcego. Desde Davi e Golias, não acontecia uma luta como essa. Em O Cavaleiro das Trevasobra-prima de Frank Miller que revolucionou os quadrinhos de super-heróis, Batman mediu forças com o Superman no que parecia ser um confronto desigual. Ledo engano. O embate homérico, no final da minissérie, foi o clímax da trama. O Homem-Morcego saiu todo alquebrado e foi dado como morto; o Homem de Aço também não saiu ileso e apanhou como nunca, graças à armadura usada pelo seu oponente.
Cena marcante: um chute certeiro de Batman no queixo do Superman mostrou ao vigilante de Gotham City que, sim, o Homem de Aço sangra.
Batman luta contra o Superman
7. Superman contra Shazam. Há muitos motivos para considerar a fantástica minissérie O Reino do Amanhã uma das melhores HQs de toda a história dos quadrinhos. Uma dessas razões é a sensacional sequência de páginas em que Superman e Capitão Marvel (antes de se chamar Shazam) travam um duelo sem precedentes entre super-heróis.
O Homem de Aço apanhou como poucas vezes em sua vida e não conseguia impedir que o mortal mais poderoso da Terra ajudasse os supervilões a deflagrar um Armagedon. Mas, talvez por isso mesmo, o conceito de herói tenha caído tão bem sobre ele.
Cena marcante: Superman quase é fritado pelos sucessivos ataques dos raios que transformam Billy Batson em Shazam.
Superman vs Shazam
6. A revanche contra Apocalypse. O monstro assassino que acabou com a vida do Superman também morreu no confronto contra o Homem de Aço. E, assim como ele, voltou dos mortos como quase todo bom personagem dos quadrinhos que parte desta para melhor. Nada mais justo, então, que houvesse uma revanche.
É certo que o novo encontro entre os dois não foi tão devastador quanto o primeiro, mas valeu pela chance que o herói merecia de ir à forra. Dessa vez, ele usou a inteligência para vencer Apocalypse. Não sem a ajuda de Tempus e da Caixa Materna, é bom que se diga.
Cena marcante: Vestido como um guerreiro kryptoniano, Super-Homem grita “Essa loucura termina hoje!” e desfere um potente soco em Apocalypse. Reforçando a dramaticidade da cena, o desenho foi feito em página dupla.
Superman e a revanche contra Apocalypse
5. O primeiro encontro com o Homem-Aranha. Um sonho que todo leitor de quadrinhos de super-heróis, em todas as gerações, sempre rezou para ver realizado. Em 1976, os dois principais personagens da Marvel e da DC apareceram juntos em uma mesma aventura. Batizado de “A batalha do século”, o evento foi o primeiro crossover de super-heróis entre editoras na história dos quadrinhos.
O roteiro bem amarrado de Gerry Conway e os magistrais desenhos de Ross Andru deram aos fãs uma HQ inesquecível na qual Superman e Homem-Aranha, depois de partirem para a briga devido a um mal-entendido, unem forças contra Lex Luthor e Dr. Octopus.
Cena marcante: Superman desfere um murro contra o rosto do Homem-Aranha, mas detém a tempo de evitar acertá-lo. No entanto, o deslocamento de ar gerado pelo movimento do punho do Homem de Aço joga o herói aracnídeo a quilômetros de distância, fazendo-o atravessar um prédio.
Superman e HomemAranha
4. A reformulação por John Byrne. Depois de Crise nas Infinitas Terras, o Superman passou a ser, de fato, o último filho de Krypton; seu maior inimigo, Lex Luthor, deixou de ser um supervilão high-tech para se tornar um inescrupuloso magnata com sede de poder; e seus poderes quase divinos foram bastante diminuídos.
Essas e outras mudanças transformaram o Homem de Aço em um personagem mais humano e com muitas possibilidades para grandes aventuras. Tudo por obra do genial (e genioso) John Byrne.
Mas, como era de se esperar, tudo mudou de novo com o passar do tempo.
Cena marcante: Depois que o Superman, ainda em trajes civis, salva Lois Lane de um acidente com a nave espacial em que ela se encontrava, a repórter do Planeta Diário dá ao herói o nome pelo qual seria conhecido em todo o mundo.
Superman de John Byrne
3. O casamento. Não foi o primeiro enlace matrimonial de um super-herói. Muito antes disso, Fantasma e Homem-Aranha já haviam subido ao altar. Mas, como se tratava do Superman, o evento ganhou destaque fora dos gibis e foi noticiado pelos veículos de comunicação em muitos países, antes e depois do acontecimento, realizado em 1996.
Os brasileiros só puderam assistir à cerimônia dois anos depois, na edição especial O casamento do Superman (Editora Abril), em que aconteceu de tudo: ação, humor, romance e até o Batman presenteando os noivos com uma casa. Inesquecível para o casal… e para os leitores, também.
Pena que tudo isso foi desfeito depois de mais uma das Crises da DC.
Cena marcante: Os super-heróis patrulhando Metrópolis, a fim de garantir uma lua de mel tranquila para os recém-casados. Página dupla de tirar o fôlego.
Casamento do Superman
2. A morte. “Todos sabiam exatamente onde estavam e o que faziam no momento em que John Kennedy foi assassinado. Hoje é um dia como aquele. Pois hoje é o dia em que o Superman morreu”. Muitos consideram que nunca houve um acontecimento tão emblemático quanto esse nas HQs. O combate épico entre o Homem de Aço e o monstro alienígena Apocalypse foi talvez o mais tenso, equilibrado e devastador de todos os confrontos entre heróis e vilões já mostrado em uma revista em quadrinhos. Mais que isso, o maior super-herói da Terra morreu de uma forma tão dramática quanto poética.
A repercussão do fatídico acontecimento caiu como uma bomba atômica no Universo DC. Jamais se viu tamanha comoção nos gibis. Mas, na vida real, a morte do Superman foi ainda mais significativa. Além das manchetes em jornais, revistas e telejornais em várias partes do mundo, o resultado da tragédia reascendeu a popularidade do último filho de Krypton e aumentou as vendas de seus títulos a um nível que há muito tempo a DC não via.
Cena marcante: Lois Lane segurando o corpo sem vida do Superman; ao fundo, a capa vermelha rasgada e hasteada em um mastro improvisado.
Morte do Superman
1. Surge o Homem do Amanhã. O começo de tudo. Em 1938, quando o Superman estreou na primeira edição de Action Comics, já existiam nos quadrinhos outros heróis fantasiados lutando contra a opressão e a injustiça. Mas nenhum como ele. Ninguém tão poderoso e capaz de tantas proezas quanto aquele personagem que inaugurou o conceito de super-herói.
Apenas um ano depois da estreia, o assim chamado Homem do Amanhã já era um tremendo sucesso, estampando produtos licenciados com sua marca e testemunhando as imitações baratas que começavam a aparecer.
Em sua primeira aventura surgiu a famosa descrição de suas habilidades: mais rápido que uma bala, mais forte que uma locomotiva e capaz de saltar edifícios com um único salto. A partir dali, teve início a saga de um dos nomes mais conhecidos da cultura popular em todo o mundo.
Cena marcante: Na capa de Action Comics # 1, mais do que mil palavras, a imagem já mostrava aos leitores que aquele herói vestido de azul e vermelho era diferente de todos os outros. A cena foi emulada no filme Superman – O retorno (2006).
Graças a esses e a muitos outros acontecimentos, as histórias do Superman têm sido tão dinâmicas quanto fascinantes, mantendo acesa a chama do sucesso mesmo nos momentos mais críticos de sua popularidade.
Sempre para o alto e avante.
Action Comics # 1
Marcus Ramone começou sua primeira coleção de gibis do Superman, desde o primeiro número, somente em 1984, quando a Editora Abril lançou Super-Homem # 1. Esse foi um de seus momentos mais marcantes em quase 40 anos de colecionismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário