domingo, 19 de julho de 2015

PORQUE DEPOIS DE 30 ANOS NÃO ESQUECEMOS DA NOVELA ROQUE SANTEIRO ?

 30 anos, ia ao ar o primeiro capítulo de “Roque Santeiro”, novela de autoria de Dias Gomes. Escrita com uma máquina de escrever portátil, a trama alcançou recorde de audiência logo na primeira semana de exibição e prendeu os espectadores brasileiros em 209 deliciosos capítulos. Para relembrar o sucesso, o Coisas de Novela listou dez razões pelas quais amamos a novela.

Quebrou tabus

Todos queriam fazer parte do elenco (Reprodução)
Todos queriam fazer parte do elenco (Reprodução)
Inspirada na peça “O Berço do Herói”, que foi censurada em 1965, a novela causou euforia ao ser adaptada para a televisão. Com coautoria de Aguinaldo Silva, a produção teve pitacos de Dias Gomes no começo e no fim da novela. Animado com o sucesso, o autor chegou a escrever dois finais diferentes para a trama.

Bateu recordes

Trama envolvente (Reprodução)
Uma trama envolvente (Reprodução)
“Roque Santeiro” fez a Globo bater recorde de audiência logo na primeira semana de exibição. Segundo a própria emissora, alguns comícios políticos marcados para o mesmo horário da novela foram cancelados para evitar falta de público.

Falou de corrupção

Como o prefeito Florindo Abelha, de Ary Fontoura (Reprodução)
O prefeito Florindo Abelha, de Ary Fontoura (Reprodução)
Agindo pelos próprios interesses, o padre Hipólito (Paulo Gracindo), o prefeito Florindo Abelha (Ary Fontoura) e o comerciante Zé das Medalhas (Armando Bógus) resolveram mentir para o povo de Asa Branca para preservar as forças políticas e religiosas ligadas à beatificação de Roque Santeiro.

Tinha a Víuva Porcina

Divando (Reprodução)
Divando (Reprodução)
Apaixonadamente gritante, a amante de Sinhozinho Malta (Lima Duarte) ditou moda com seu estilo escandaloso de ser.

E embalou as rádios

Sucesso (Reprodução)
Sucesso (Reprodução)
Com o tema “Dona”, o grupo Roupa Nova explodiu nas listas das músicas mais pedidas da época. Até hoje, quando é tocada, a canção lembra a personagem de Regina Duarte.

Tinha o Lobisomen

E o mistério por trás dele (Reprodução)
E o mistério por trás dele (Reprodução)
Mexendo com o imaginário popular, Asa Branca era atormentada por um misterioso ser, metade homem, metade lobo, que atacava mulheres. Na pele da prostituta Ninon, Claudia Raia, que fez sua primeira novela com “Roque Santeiro”, viveu um romance com ele.

Debateu a religião

E os dogmas da igreja (Reprodução)
E os dogmas da igreja (Reprodução)
Através dos personagens Albano (Cláudio Cavalcanti) e Hipólito (Paulo Gracindo), a trama apresentou dois lados opostos da Igreja Católica: o progressista e os tradicionalista. O assunto, que estava em alta na época, colocava em conflito como alguns pensamentos conservadores atrasavam o progresso da cidade.

Tinha a própria boate

Com lindas dançarinas (Reprodução)
Com lindas dançarinas (Reprodução)
A Sexus movimentava os moradores de Asa Branca com as bailarinas Ninon (Claudia Raia) e Rosaly (Isis de Oliveira). Contra todos os conservadores, Matilde (Yoná Magalhães) conseguiu fazer o negócio vingar e deixou a trama mais alegre.

E Sinhozinho Malta de joelhos

Lima Duarte <3
Lima Duarte <3
Quem não se lembra de Porcina obrigando o amante a se ajoelhar para pedir perdão para sua dona?

Um marketing para o negócio de perucas

Bonito (Reprodução)
Bonito (Reprodução)
Isso mesmo! Com o estilo peculiar de se vestir, Sinhozinho Malta inspirou muitos homens da época a buscarem mais penduricalhos barulhentos para o pulso. De acordo com a Globo, a novela também contribuiu para alavancar as vendas de perucas masculinas em 80%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário