segunda-feira, 26 de junho de 2017

GIBI ODISSEIA DAS AMAZONAS



Escritor : Kevin Grevioux
Artistas : Ryan Benjamin, Richard Friend, Don Ho e Tony Washington

Resumo
Esta acontecendo uma guerra na ilha e as amazona tem que matar seu maior inimigo.
Positivos
Eu gosto da capa de Ryan Benjamin. O uso vermelho e roxo funciona bem para criar uma imagem interessante e intensa. Isso parece legal.
Pontos Negativos

domingo, 25 de junho de 2017

VEREMOS EM BREVE UNIVERSO VENOM

A Marvel está se preparando para contar a maior história do Venom de todos os tempos. A Marvel Comics anunciou no dia de hoje que irá lançar o Venomverso, um sucessor espiritual para o aclamado AranhaVerso lançado em 2014.
Este universo do Venom irá trazer também uma diversidade de personagens que etão ligados ao simbionte do Venom, espalhados por todo multiverso Marvel.
Recentemente a Marvel retornou o simbionte para Eddie Brock e, de acordo com o editor Devin Lewis, “Se o AranhaVerso era um Resgate do Soldado Ryan, o Venomverso é uma espécie de Duro de Matar.”

Confira abaixo a primeira imagem oficial do evento e algumas artes conceituais das versões do Venom que aparecerão:

sábado, 24 de junho de 2017

VEJA QUANDO UMA EDITORA NÃO TEM O QUE FAZER O QUE ELA FAZ

A Marvel revelou em sua na edição dos quadrinhos Champions #9 a heroína Red Locust ("Gafanhoto Vermelho", em tradução livre), que aparentemente foi inspirada em Chapolin Colorado, série da década de 1970 protagonizada por Roberto Bolaños (Chaves).cOMO A MARVEL NÃO TINHA O QUE FAZER ...)
Red Locust é o codinome da adolescente Fernanda Rodríguez, uma descendente de mexicanos que mora em San Diego, na Califórnia. Com um uniforme que lembra muito o herói trapalhão, Red Locust consegue dar altíssimos saltos. Confira esse e outros detalhes na galeria abaixo:
Na HQ, Fernanda estava perseguindo um vilão quando, sem querer, ela amassa o táxi em que estava ninguém menos do que a filha de Visão, um dos Vingadores da Marvel. Apesar de a editora não ter confirmado que a heroína foi inspirada em Chapolin, a série em inglês se chama The Red Grasshopper -- que em tradução livre significaria "O Gafanhoto Vermelho".

sexta-feira, 23 de junho de 2017

NOVO VISUAL DO AQUAMAN

Aquaman já teve muitos visuais nos quadrinhos, afinal, o personagem estreou em 1941 na More Fun Comics #73 e continua presente na atual fase da DC, o já reconhecido DC Renascimento.
Em Aquaman #25, inicia-se uma nova era para o personagem, que perdeu o seu trono e está sendo caçado, com pouquíssimos aliados. Stjepan Seijic, responsável pelo novo visual do personagem, faz uma releitura de um visual usado antigamente nos anos 90, na fase de Peter David. Aliás, a aparência também inspirou para a criação do Aquaman de Jason Momoa e James Gunn.
Dan Abnett, atual escritor da HQ, falou ao Newsarama sobre a mudança de visual do personagem: 
“É uma mudança muito grande, e muito dramática. E é um ponto de partida também. É, de certo modo, um novo começo. Depois de um ano de uma intensa fase de duas edições por mês, estamos voltando a ser título mensal. Uma das coisas que estamos fazendo é mudar o estilo da arte, e isso é algo que vai precisar de um ritmo mensal para funcionar. Então é um ponto de virada para o Aquaman, o início de uma nova direção importante, um novo foco e sentimento… é uma diferença enorme”.
Você pode conferir logo abaixo o novo visual do personagem:


Thumbs up
0
Love
1
Joy
0
Surprised
1
Sad
0
Angry
0

quinta-feira, 22 de junho de 2017

30 O GLOBO JUVINIL


Em 12 de junho de 1937, foi às bancas, pela primeira vez, a revista "O GLOBO Juvenil", dedicada a crianças e jovens, com espaços reservados a contos policiais, ilustrados e de aventuras; seções de romances juvenis, ciências, teatro infantil; e, especialmente, histórias em quadrinhos (HQs). Entre os heróis, “Robin Hood”, “Gulliver do século XX” (um "descendente" do clássico de Jonathan Swift, com desenhos de Israel Pinheiro), “Os primeiros homens na Lua” (inspirada no romance de H. G. Wells), e “Pery Borba”, quadrinho nacional com argumento de Pinheiro Lemos e desenhos de Israel, que logo ganhariam as companhias de Fantasma, Zorro e Flash Gordon.
Junção de desenhos sequenciados com textos, formando uma narração, as HQs (comics, em inglês) foram criadas na mesma época do surgimento do cinema, no fim do século XIX, mas inicialmente foram relegadas a segundo plano. “Yellow kid”, de Richard Outcault, publicada no jornal “World”, de Nova York, em 1895, é considerado o marco inicial pela introdução dos balões com o texto nas tirinhas. No Brasil, "O Tico Tico", do jornalista Luís Bartolomeu de Souza e Silva, foi a primeira revista a publicar HQs, em 11 de outubro de 1905, permanecendo semanal até 1957, quando tornou-se almanaque e circulou pela última vez em 1977.
A preocupação em mostrar a arte em desenhos ou tiras de histórias foi uma constante desde os primeiros números do GLOBO. Na histórica capa da primeira edição do jornal, em 29 de julho de 1925, há uma charge do caricaturista, pintor e compositor Raul Pederneiras (1874-1953), intitulada “Encontro de forças”, em que o artista mostra que o desequilíbrio das contas públicas já assustava os brasileiros. Num ringue, um lutador enorme subjuga outro, bem menor: “assim o campeão da despesa derrota o campeão da receita”. E concluía que a desigualdade já fazia “parte do programma”. A primeira tirinha publicada no jornal foi “O Commendador”, historinha cômica e 'muda' assinada por Tim na edição das 17h do dia 4 de agosto de 1937.
Seguindo o modelo americano, que publicava tiras diariamente em seus jornais, o jornalista Adolfo Aizen (1907-1991) criou, em 1934, o “Suplemento Juvenil”, que integrava o jornal “A Nação”, e tinha um "número impressionante de vendas de histórias em quadrinhos", segundo o site Memória O GLOBO. A criação do GLOBO Juvenil ocorreu após o diretor-redator-chefe Roberto Marinho receber uma negativa à proposta de sociedade a Aizen, para publicar novos títulos. Roberto Marinho resolveu, então, tocar a ideia sozinho e lançou "O GLOBO Juvenil", em formato tabloide, que "viria a ser a primeira iniciativa do jornalista no gênero” e também a estreia da marca O GLOBO em uma revista, segundo o site.
O lançamento foi precedido por uma grande campanha de marketing. No dia 18 de maio de 1937, O GLOBO estampava no alto da página 2 a promoção: “Vejam que maravilha! 'O GLOBO Juvenil' offerecerá aos seus futuros leitores quinhentos prêmios, inclusive quatro automoveis a gasolina, tres patinetes com motor, quinze contos em cadernetas da Caixa Economica, trinta bycicletas, piano para menina, aviões com motor a gasolina, trens electricos, mobilias para meninos e meninas, projectores e machinas de filmar Pathé-Baby e Kodak, boneca Shirley Temple, canetas e lapiseiras “Aversharps’, velocipedes e bycicletas com side-car, radios de ondas curtas e longas, patinettes de todos os typos, jogos de construcções, aparelhos de remos, automoveis para montar e desmontar, machinas photographicas, etc., etc. Aguardem os primeiros dias de junho!”
Com direção de Roberto Marinho e Pinheiro Lemos, a revista começou como uma publicação de 16 páginas às terças, quintas e sábados, e circulou até 1952. As primeiras edições tiveram a colaboração de Nelson Rodrigues, então com 25 anos, escrevendo histórias para crianças. A partir do número 1.987, de março de 1950, ganhou outro formato, passando a se chamar “Novo O GLOBO Juvenil”, com maior número de páginas. Pela revista passaram os maiores clássicos das HQs: Fantasma, Zorro, Flash Gordon, Brucutu, Príncipe Valente, entre outros. Por fim, já pela Rio Gráfica Editora – fundada em 1952 e que, a partir de 1986, passou a se chamar Editora Globo – torna-se mensal até outubro de 1963. Os almanaques, lançados a cada Natal, foram publicados entre 1941 e 1964. Com o término da revista, os personagens principais ganharam suas próprias edições independentes.
Após a estreia da revista, o jornal passou a intensificar a publicação de histórias em quadrinhos, atendendo à boa receptividade dos leitores. De 18 de novembro de 1938 a janeiro de 1940, O GLOBO ganhou uma "secção juvenil", "O GLOBINHO", que circulava às sextas-feiras, com duas páginas de quadrinhos, testes e artigos. Em seguida, as tirinhas tiveram edição diária, publicadas ao pé das páginas. A partir de 1946, começaram a sair em duas páginas seguidas, ocupando metade de cada uma, para, em 1952, passarem a duas páginas contínuas, exclusivamente com quadrinhos. Em 2 de julho de 1972, com o início da circulação do GLOBO aos domingos, o título voltou como suplemento: “O GLOBINHO Supercolorido”, que seria publicado até junho de 2013.
Mas foi com o lançamento da revista "Gibi", em 12 de abril de 1939, que a palavra, com o tempo, passou a ser sinônimo de história em quadrinhos. Na época, Gibi era como o menino pequeno e esperto - o moleque - era chamado. A revista circulava às segundas, quartas e sextas-feiras, vendida separadamente, e trazia as aventuras do detetive Charlie Chan, de Ferdinando, Mandrake, entre outros personagens, tendo sua circulação interrompida em maio de 1950. Atualmente, o jornal publica tiras em quadrinhos de autores contemporâneos nas páginas do Segundo Caderno e da "Ela Revista".
* com edição de Matilde Silveira

quarta-feira, 21 de junho de 2017

VEJA EM PRIMEIRA MÃO OS PRIMEIROS BONECOS DA LIGA DA JUSTIÇA

O site oficial  filme da Liga da Justiça, JoinTheLeague.dccomics.com, lançou as primeiras imagens dessas novas BONECOS de ação dos heróis sitiados da Mattel, além de uma olhada no novo Batmobile. Ainda não foram divulgados detalhes até quando foram disponíveis, mas os fãs podem ter certeza de que deve coincidir com o lançamento do filme no dia 17 de novembro. Confira as imagens abaixo:
O que você acha desses novos números? Qual é seu favorito? Deixe-nos saber em comentários!

terça-feira, 20 de junho de 2017

EPISODIO FINAL LIBERADO PELA NBC DO ATOR ADAN WEST O ETERNO BATMAN

Todo o mundo após a passagem de Adam West, o Batman da televisão. Como homenagem ao grande ator e homem, a NBC Universal está lançando um episódio nunca antes exibido do programa agora apagado Powerless que os fãs podemvisualizar por um tempo limitado no canal DC Entertainment no YouTube.
Você pode clicar no vídeo abaixo para o episódio:
Pequenos spoilers à frente)
Se você já viu o episódio, então, você foi tratado com um episódio muito engraçado de Powerless, um show que teve um ótimo humor e muitos ovos de Páscoa para o DC Hardcore (um repórter de notícias chamado Gail Simone? Wink wink) . Adam West apareceu como Dean West, presidente da Wayne Enterprises, que diz ao personagem de Vanessa Hudgens que ela tem que despedir alguém de sua equipe no trabalho. Há piadas sobre tweets presidenciais e ataques alienígenas e uma brincadeira verdadeiramente hilária em alguém que está tentando obter super poderes de "flash-like".
O Ocidente realmente tem uma presença na tela e é mais do que evidente aqui, enquanto ele assume cada cena em que ele está e quase pode sentir a reverência que os outros atores têm por ele. O Ocidente é realmente hilário e ele parece dobrar se não romper a quarta parede com uma auto-consciência sobre o seu cameo e uma homenagem ao narrador do clássico programa de televisão Batman.
Realmente foi uma delícia para assistir Adam West não só realizar neste episódio, mas em todo o trabalho que ele fez ao longo dos anos. A nível pessoal, na década de 80, quando era criança, era uma lembrança maravilhosa para ligar o antigo aparelho de televisão da minha família (este era tão grande como uma mesa se você puder acreditar) e assista Adam West em um dos As performances excelentes e icônicas de todos os tempos.
Adam West será muito despertado.